English    


Conceito

Apresentação


Lisboa em Si tem como objectivo explorar as possibilidades musicais de uma cidade à beira rio. O desenho e toponímia de Lisboa servem como anfiteatro natural para uma paleta de sons e texturas que a caracterizam de forma única e sedutora.

De Lisboa para Lisboa... dos sons que esta produz na sua quotidianidade para uma viagem musical irrepetível.

O resultado será uma composição musical de sete minutos, recorrendo aos apitos de embarcações, viaturas de bombeiros, comboios, sinos de igrejas e campainhas de eléctricos. Cerca de cem músicos irão interpretar uma peça original em directo, coordenados entre eles via rádio e espalhados pela zona ribeirinha da cidade.

Local


O evento irá decorrer em toda a zona ribeirinha da cidade de Lisboa, delineado a este pela igreja de St. Estêvão, a oeste pela igreja de St. Catarina e a norte pelo Miradouro de S. Pedro de Alcântara.

Na concepção da obra foram identificados 7 pontos de escuta, que serviram de referências espaciais para um melhor entendimento da dinâmica dos sons neste palco improvisado – Miradouro de ST. Catarina, Praça Camões, Miradouro de S. Pedro de Alcântara, Miradouro da Graça, Castelo de S. Jorge, Miradouro de St. Luzia e Praça do Comércio. A música foi, no entanto, composta para ser usufruída em qualquer lugar, dentro da área já referida, com as variações inerentes às fontes sonoras vizinhas.




Data e Hora


A realização do concerto está agendada para as 22h00 do dia 21 de Junho de 2013. A obra terá a duração de aproximadamente 7 minutos (em homenagem às sete colinas da cidade).

Faltam


Dias
Horas
Minutos
Segundos




Palco/Plateia

Mapa da cidade de Lisboa com as localizações das fontes sonoras e dos pontos de escuta.

 Igreja de Santa Catarina do Monte Sinai.


 Instrumentos: 5 sinos.

 Igreja do Loreto.


 Instrumentos: 7 sinos.

 Igreja da Encarnação.


 Instrumentos: 5 sinos.

 Igreja dos Mártires.


 Instrumentos: 5 sinos.

 Igreja das Chagas.


 Instrumentos: 10 sinos.

 Igreja de São Paulo.


 Instrumentos: 12 sinos.

 Mercado da Ribeira.


 Instrumentos: 1 sino.

 Torre Sineira do Quartel do Carmo.


 Instrumentos: 2 sinos.

 Igreja de São Cristóvão.


 Instrumentos: 8 sinos.

 Igreja da Graça.


 Instrumentos: 6 sinos.

 Mosteiro de São Vicente de Fora.


 Instrumentos: 9 sinos.

 Igreja de Santo Estêvão.


 Instrumentos: 8 sinos.

 Igreja de São Miguel.


 Instrumentos: 3 sinos.

 Igreja de Santa Luzia e de São Braz (Ordem de Malta).


 Instrumentos: 1 sino.

 Igreja de Santiago.


 Instrumentos: 4 sinos.

 Igreja da Sé Patriarcal.


 Instrumentos: 8 sinos.

 Igreja de São João da Praça.


 Instrumentos: 6 sinos.

 Igreja de Santa Cruz do Castelo.


 Instrumentos: 4 sinos.

 Bombeiros Voluntários de Cabo Ruivo.


 Viatura: VETA 01.

 Bombeiros Voluntários de Cacilhas.


 Viatura: VUCI 03.

 R.S.B. Lisboa.


 Viatura: VP 28.

 Bombeiros Voluntários Lisbonenses.


 Viatura: VTTU 01.

 Bombeiros Voluntários da Ajuda.


 Viatura: VUCI 01.

 Bombeiros Voluntários de Campo de Ourique.


 Viatura: VRCI 01.

 Comboios.


 Empresa: CP.

 Elétricos.


 Empresa: Carris.

 Sacor II.


 Empresa: Galp.

 Ametista.


 Empresa: A.P.L.

 Vera Cruz.


 Empresa: Aporvela.

 Lisboa.


 Empresa: Svitzer.

 Leão Holandês.


 Empresa: Gesink Turismo Náutico Lda.

 Cesário Verde.


 Empresa: Transtejo Soflusa.

 Eborense.


 Empresa: Transtejo Soflusa.

 Sintrense.


 Empresa: Transtejo Soflusa.

 Tamariz.


 Empresa: Protrac.

 Noruega.


 Empresa: IPMA.

 Sines.


 Empresa: Svitzer.

 Príncipe Perfeito.


 Empresa: Veltagus.

 D. Carlos I.


 Empresa: Instituto hidrográfico - Marinha Portuguesa.

 Goladas.


 Empresa: A.P.L.

 Seixalense.


 Empresa: Transtejo Soflusa.

 Abano.


 Empresa: Portrac.

 Cabo da Roca.


 Empresa: ReboSado.

 Monte Belo.


 Empresa: Svitzer.

 Pedro Nunes.


 Empresa: Transtejo Soflusa.

 Campolide.


 Empresa: Transtejo Soflusa.

 Pioneiro do Rio.


 Empresa: Portrac.

 Leixões.


 Empresa: Svitzer.

 Palmelense.


 Empresa: Transtejo Soflusa.

 Évora.


 Empresa: Turisbuilding, SA.

 Albacora II.


 Empresa: Aquário Vasco da Gama.

 Barra Norte.


 Empresa: A.P.L.

 Barroca.


 Empresa: AguaNave.

 Ribeira das Naus.


 Ponto de Escuta.

 Terreiro do Paço.


 Ponto de Escuta.

 Jardim do Tabaco.


 Ponto de Escuta.

 Largo Portas do Sol.


 Ponto de Escuta.

 Castelo de São Jorge.


 Ponto de Escuta.

 Miradouro da Graça.


 Ponto de Escuta.

 Rossio.


 Ponto de Escuta.

 Miradouro de São Pedro Alcântara.


 Ponto de Escuta.

 Largo de Camões.


 Ponto de Escuta.

 Miradouro de Santa Catarina.


 Ponto de Escuta.
bells1 bells2 bells3 bells4 bells5 bells6 bells7 bells8 bells9 bells10 bells11 bells12 bells13 bells14 bells15 bells16 bells17 bells17 fire1 fire2 fire3 fire4 fire5 fire6 boat1 boat2 boat3 boat4 boat5 boat6 boat7 boat8 boat9 boat10 boat11 boat12 boat13 boat14 boat15 boat16 boat17 boat18 boat19 boat20 boat21 boat22 boat21 boat22 boat23 boat24 boat25 escuta1 escuta2 escuta3 escuta4 escuta5 escuta6 escuta7 escuta8 escuta9 escuta10 train1 elect1




Imprensa

Câmara Municipal de Lisboa

' “Lisboa em Si” - Concerto inédito com os sons da cidade.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa, e Pedro Castanheira, da Cooperativa Fora de Si, apresentaram nos Paços do Concelho, no dia 10 de abril, a iniciativa “Lisboa em Si”, que terá lugar na cidade de Lisboa no próximo dia 21 de Junho, pelas 22h00.

Trata-se de um concerto inédito de sete minutos, com início às 22h00 daquele dia (hora exata), executado por uma "orquestra" espalhada por mais de 15 igrejas, 25 embarcações, 6 eléctricos, 2 comboios e 6 corporações de bombeiros, com a interpretação a cargo de cerca de 100 músicos.

O objetivo é explorar as possibilidades musicais do anfiteatro natural de uma cidade à beira rio, recorrendo ao aproveitamento dos sons característicos da cidade, como os apitos de embarcações, viaturas de bombeiros e comboios, sinos de igrejas e campainhas de elétricos. Cerca de cem músicos irão interpretar uma peça original em direto, coordenados entre eles via rádio e espalhados pela zona ribeirinha da cidade. O resultado será uma composição musical de sete minutos.

Durante a apresentação foi anunciada a localização dos diversos pontos de escuta "privilegiada": miradouros da Graça, Santa Luzia e São Pedro de Alcântara, Castelo de São Jorge, Praça Camões, Praça do Comércio e passeio ribeirinho da Ribeira das Naus. No entanto, a organização assegura que o concerto será audível dentro do perímetro onde o evento vai decorrer, isto é, em toda a zona ribeirinha da cidade de Lisboa, delineada a este pela igreja de Santo Estêvão, a oeste pela igreja de Santa Catarina e a norte pelo Miradouro de S. Pedro de Alcântara.

Na ocasião da apresentação, a vereadora Graça Fonseca sublinhou que a Câmara e a Lisboa em Si trabalharam "em conjunto", disponibilizando a autarquia "os meios necessários, no pressuposto de transformar Lisboa numa grande orquestra, aproveitando as suas potencialidades para produzir uma nova sonoridade".

O principal impulsionador do projeto, Pedro Castanheira, confidenciou que "a ideia nasceu há muitos anos, soprada pelo rio, quando passeava e ouvi um barco a apitar". Reconhecendo que se trata de uma iniciativa "megalómana" e de um "sonho", o jovem autor afirma, no entanto, que "hoje em dia é o absurdo que nos salva". Por isso, há catorze meses atrás, decidiu apresentar a ideia ao presidente da autarquia, posto que "António Costa é outro louco por Lisboa".

Mas nem tudo é "ilusão": para levantar o projeto, Pedro castanheira contou não só com o seu ímpeto "sonhador" mas também com o seu entusiasmo contagiante para mobilizar centenas de colaboradores, desde músicos, técnicos e responsáveis por diversas instituições que, com os pés bem assentes na terra, vão operacionalizar o evento.Pedro Castanheira destacou ainda a vertente do "exercício da cidadania e da política", como seja a recuperação de sinos com 300 anos e de todo um vasto património que é de todos". Agora, na expectativa de que nenhuma peça montada para a vasta operação venha a falhar, o autor, músico e sociólogo, espera, com o auxílio de "centenas de outros sonhadores", poder "dar ordem ao caos dos sons do quotidiano". Porque, afinal, "tudo isto é fé".

Coube ao presidente da autarquia, António Costa, explicar o envolvimento da Câmara no projeto, decidido há catorze meses atrás, no momento em que o edil viu um vídeo de um concerto de campainhas dos elétricos, na estação de Santo Amaro, produzido por Pedro Castanheira por ocasião do aniversário da CARRIS. Seduzido pela ideia de "uma obra coletiva de produção sonora da cidade, transformando os sons do quotidiano em música", o autarca acarinhou a ideia de se ter "em cada barco um violino e em cada comboio um oboé". Agora, quando "os que não eram crentes tomaram fé, no sentido amplo, e o entusiasmo do Pedro levou cada vez mais entidades a embarcar neste barco, resta partir para a grande aventura", concluiu António Costa.'

09 Abril 2013 - Ver peça original

Ler Mais
Rádio Renascença

' "Lisboa em Si" assinala Verão com concerto diferente.

Barcos, comboios, eléctricos, carros de bombeiros e sinos de igrejas são os instrumentos musicais de uma orquestra muito especial que vai actuar no dia 21 de Junho, às 22 horas.

Lisboa vai assinalar o Solstício de Verão com um concerto inédito e diferente. Os sons quotidianos vão ser conduzidos em harmonia.

Barcos, comboios, eléctricos, carros de bombeiros e sinos de igrejas são os instrumentos musicais de uma orquestra muito especial que vai actuar no dia 21 de Junho, às 22 horas, em Lisboa, durante sete minutos.

O maestro é o músico Pedro Castanheira, que conseguiu o apoio do presidente da Câmara António Costa e de muitos outros parceiros, incluindo o Grupo r/com – renascença comunicação multimédia.

Esta quarta-feira Pedro Castanheira deixou o convite a que todos participem neste projecto de sonhadores para a cidade.

O concerto “Lisboa em Si” poderá ser ouvido em toda a zona ribeirinha mas o autor sugere que cada um escolha um dos sete pontos de escuta: Camões, Graça, Miradouro de S. Pedro de Alcântara, Terreiro do Paço, Portas do Sol, Castelo de S. Jorge e Ribeira das Naus.

A Câmara de Lisboa vai apoiar a iniciativa com meios técnicos e humanos, além de um financiamento de 85 mil euros.'

10 Abril 2013 - Ver peça original

Ler Mais
Impala

'Lisboa recebe concerto “megalómano”.

A cidade de Lisboa vai receber em junho um concerto "megalómano" que vai reunir vários sons característicos da capital, como os apitos e sirenes de embarcações, elétricos, comboios e carros de bombeiros e sinos de igrejas.

"Lisboa em Si" é o nome da iniciativa hoje apresentada e que vai assinalar o solstício de verão, no dia 21 de junho, às 22:00, tendo como objetivo "explorar as possibilidades musicais de uma cidade à beira rio". Em declarações à agência Lusa, o promotor do evento, Pedro Castanheira, afirmou que se trata de um "projeto ambicioso, único e megalómano e que, por isso, já é um sucesso".

"É louco o suficiente para poder resultar, mas basta que um falhe para tudo desmoronar", advertiu. Pedro Castanheira adiantou que será um concerto de sete minutos em que o som dos comboios, os apitos das embarcações e dos carros dos bombeiros, a campainha dos elétricos e os sinos das igrejas vão tocar em uníssono. "Será certamente um dos maiores concertos do mundo, composto por anónimos e sonhadores de Lisboa e que é de toda a gente que vive a cidade", contou.

A concretização deste projeto, há muito pensado pela Cooperativa Fora de Si, foi mostrado à Câmara de Lisboa, que "recebeu muito bem a ideia", frisou Pedro Castanheira. "Esta iniciativa é também um pretexto para mostrar o que somos capazes de fazer, sem patrocínios, só com a convergência de ideias. É um projeto completamente absurdo e talvez por isso resulte tão bem", acrescentou o responsável, sublinhando que "não foi nada difícil" convencer as pessoas a protagonizarem este concerto.

Pedro Castanheiro não adiantou o investimento necessário, mas assegurou que o retorno será "muito compensatório". "Se me calhasse um por cento do lucro, se calhar já não precisava de trabalhar o resto da vida", brincou. O evento irá decorrer em toda a zona ribeirinha da cidade de Lisboa, delineado a este pela igreja de Santo Estêvão, a oeste pela igreja de Santa Catarina e a norte pelo Miradouro de São Pedro de Alcântara.'

11 Abril 2013 - Ver peça original

Ler Mais
Expresso do Oriente

' “Lisboa em Si”

O Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa, e a Cooperativa Fora de Si apresentam, esta tarde, nos Paços do Concelho, a iniciativa “Lisboa em Si”.

Esta pretende assinalar o solstício de Verão através de um concerto em que cerca de 100 músicos irão interpretar uma peça original em directo, aproveitando os sons característicos da cidade, como: apitos de embarcações, viaturas de bombeiros, comboios, sinos de igrejas e campainhas de eléctricos.

O evento irá decorrer em toda a zona ribeirinha da cidade de Lisboa, no dia 21 de Junho, às 22h.

Durante a apresentação do evento, que começa às 17h, serão anunciados os diversos pontos de escuta e detalhados os diferentes aspectos desta complexa organização, que irá surpreender os lisboetas e os visitantes da capital.'

10 Abril 2013 - Ver peça original

Ler Mais
Rádio Renascença

' A cidade é um concerto improvável.

Os sons que se misturam nos dias como ruído de fundo vão sair do anonimato. A 21 de Junho, Lisboa vai ser palco de um concerto inédito, composto a partir de apitos de barcos, comboios, carros de bombeiros, campainhas de eléctricos e sinos. Para garantir toda esta orquestra, foi necessário recuperar parte do património sineiro da cidade. A Renascença acompanhou esses trabalhos com uma equipa de técnicos do projecto "Lisboa em Si".'

10 Abril 2013 - Ver peça original

Ler Mais
Sapo

' «Lisboa em si» pede silêncio para se ouvir a cidade cantar.

O projeto “Lisboa em Si”, que vai, na noite de 21 de junho, fazer da capital uma orquestra – com sirenes de embarcações, sinos de igrejas, carros de bombeiros e elétricos – pede ao público silêncio, para deixar ouvir Lisboa.

Estar em silêncio durante os sete – “precisamente sete, em homenagem às sete colinas” – minutos em que Lisboa vai fazer-se ouvir é ser parte da orquestra, é “ser um instrumento, parte ativa do concerto”, disse à Lusa o músico e compositor Pedro Castanheira, diretor artístico do projeto.

Essa é "a parte mais essencial de todas”, frisou. O público pode ainda – e deve, disse – participar no evento em outros dois momentos, antes de o concerto começar e depois de terminar.

Quando soarem as sirenes que assinalam que está para breve o início, explica, vai ser lançado um foguete do rio. "As pessoas devem fazer ‘shhhhhhhhh’, mas não de uma forma agressiva, de uma forma percutiva, para espalharmos ao longo da zona ribeirinha um [som] como se fossem as pedras a rolar, quando o rio ia buscá-las para dentro de água”, pede.

Depois do primeiro apito, começa o silêncio. “É o momento ‘silêncio, que se vai cantar Lisboa’”, sublinhou Graça Fonseca, vereadora da Economia e Inovação na Câmara Municipal de Lisboa.

Durante este tempo, sons da Lisboa de todos os dias vão, ao longo da zona ribeirinha – num espaço delineado a este pela igreja de Santo Estêvão, a oeste pela igreja de Santa Catarina e a norte pelo Miradouro de São Pedro de Alcântara – combinar-se numa “ode musical”.

Aos jornalistas, a falar em nome da Câmara de Lisboa, que apoia o projeto, a vereadora Graça Fonseca explicou que esta iniciativa "cria a partir daquilo que a cidade já é". Lisboa, disse, "é som, é espaço público, é luz". Este conceito, acrescentou, "tem muito que ver com uma estratégia própria da cidade, que é a de dar-se a conhecer como uma ‘lovable brand’".

"Este projeto torna visível o que Lisboa é, e o que pode ser na combinação da luz, do som, do espaço, dos equipamentos, do seu património”, concluiu.

Quando a orquestra de 30 embarcações, seis carros de bombeiros, 19 torres sineiras, dois comboios e seis elétricos terminar a atuação, e depois de um segundo foguete, “pede-se às pessoas que façam barulho”, o barulho “que lhes apetecer”, acrescentou Pedro Castanheira.

A importância de o público alinhar nas regras, reforçou o compositor, é o retrato que vai tirar-se deste momento: “Vai haver uma gravação do concerto. Alguém que queira participar e ache que pode, por exemplo, buzinar, estraga o momento e estraga o acervo para a posteridade”, disse.

A iniciativa “Lisboa em Si” é uma coprodução da Cooperativa Fora de Si e da Câmara Municipal de Lisboa, com o apoio do Turismo de Lisboa e da Administração do Porto de Lisboa, e com a participação da Marinha, Transtejo/Soflusa, CP, Carris, Patriarcado de Lisboa e Escola Superior de Música de Lisboa.'

06 Junho 2013 - Ver peça original

Ler Mais
Câmara Municipal de Lisboa

' LISBOA EM SI - Orquestrar os sons da cidade.

Se estiver na rua, no centro de Lisboa, na próxima sexta-feira 21 de Junho, pelas 22 horas, pode-lhe acontecer ser surpreendido pela sensação de que os barulhos que normalmente identifica com a vida agitada da cidade estão coordenados e estranhamente melódicos. Não ligue para o seu psicólogo, não está a ficar doido. É exatamente o que pretende fazer a organização do evento Lisboa em Si: utilizar dos sons do dia-a-dia para compor uma peça com a duração de sete minutos, orquestrando sirenes de navios, apitos de comboios, torres sineiras, campainhas de elétricos e sirenes de bombeiros.

O palco para este concerto é a própria cidade, especificamente a zona ribeirinha do centro histórico, mas a organização recomenda alguns pontos de escuta privilegiados, tais como a Ribeira das Naus/Terreiro do Paço, Castelo de São Jorge e miradouros de Santa Luzia e Cerca Moura/Portas do Sol.

A coordenação de toda esta disparidade de instrumentos será assegurada via rádio, através do qual serão dadas as indicações necessárias para que os cerca de 100 músicos possam acompanhar a partitura. Pedro Castanheira, músico e sociólogo que é o mentor da iniciativa, pede ainda a participação dos cidadãos para a sua criação, garantindo o silêncio durante a execução e, assim que veja ou ouça o foguete que marca o fim da peça, gritando, cantando ou simplesmente fazendo o barulho que lhe apetecer.

Lisboa em Si é uma co-produção da cooperativa Fora de Si e da Câmara Municipal de Lisboa.'

Ver peça original

Ler Mais
Câmara Municipal de Lisboa

' CONTAGEM DECRESCENTE PARA O LISBOA EM SI.

A Vereadora Graça Fonseca, do pelouro da economia e inovação, acompanhou o maestro e músico Pedro Castanheira a bordo do veleiro “Príncipe Perfeito” no balanço sobre a preparação do concerto “Lisboa em Si” que em 21 de Junho próximo animará Lisboa durante sete minutos, a partir das 22 horas, com uma “orquestra" espalhada por diversos pontos da cidade.

Num encontro com a imprensa realizado a bordo do veleiro, Pedro Castanheira, lembrou que «estamos em contagem decrescente» para o evento e apelou a uma participação ativa dos lisboetas.

Esta é uma iniciativa da cidade de Lisboa, enfatiza, mas é muito importante que todos contribuam para que tenha êxito.

Assim, o maestro deixa uma recomendação: haverá um momento em que os sinos repicarão e, a partir do momento em que for lançado um foguete, é crucial que todos façam silêncio durante sete minutos. Esse é o período em que todos podem desfrutar o concerto, o barulho pode voltar quando um novo foguete for lançado.

Recorde-se que este concerto inédito será executado por mais de 100 músicos a partir de cerca de quinze igrejas, vinte e cinco embarcações, seis elétricos, dois comboios e seis corporações de bombeiros.

O objetivo é explorar as possibilidades musicais do anfiteatro natural de uma cidade à beira rio.'

06 Junho 2013 - Ver peça original

Ler Mais
Público

' Lisboa em Si: os sons da cidade vão ser uma orquestra.

A 21 de Junho, às 22h, o Lisboa em Si invade a zona ribeirinha da capital para marcar o solstício de Verão.

É um concerto inédito em que Lisboa é a protagonista. Durante sete minutos, 100 músicos vão tocar sons da cidade: apitos de barcos, de viaturas de bombeiros, de comboios, sinos de igrejas e de campainhas de eléctricos.

A 1 de Novembro de 1755, o terramoto que fez tremer a cidade de Lisboa durou exactamente sete minutos. A destruição provocada pelo sismo mudaria para sempre a capital. No “quartel-general” que é por estes dias a casa no Cais do Sodré de Pedro Castanheira, director artístico do projecto Lisboa em Si, também se sonha em mudar a cidade.

Há cerca de dois anos, Pedro começou a ouvir a harmonia que os sons do quotidiano da cidade de Lisboa produziam. Os apitos dos cacilheiros, os sinos das igrejas, as campainhas dos eléctricos. Em conversa com os amigos, decidiu lançar-se num desafio ambicioso e inédito: escrever e tocar uma composição musical, original e em directo, recorrendo apenas a esses sons. "A ideia é utilizar sons característicos de Lisboa, sem induzir alterações. E que sejam sons tradicionais”, explica Pedro Castanheira. Em homenagem às sete colinas de Lisboa, o concerto teria apenas sete minutos. Depois Pedro descobriu o “sete” do terramoto e o número tornava-se quase um amuleto.

Grande parte do financiamento chegou das mãos da Câmara Municipal de Lisboa – uma verba de 85 mil euros no total – e uma larga fatia foi direccionada para criar um software que juntasse todas as fontes sonoras envolvidas no concerto. Depois de testes acústicos e gravações de apitos, campainhas e sinos, os sons foram compilados num programa informático e num teclado no qual Pedro Castanheira compôs a música. Sons de mais de 20 embarcações, 19 igrejas, dois eléctricos, quatro carros de bombeiros e dois comboios. Para garantir a coordenação entre a centena de músicos, os tempos serão dados via rádio.

Às 22h do dia 21 de Junho, assinalando o solstício de Verão, a “orquestra” vai tocar em toda a zona ribeirinha da cidade de Lisboa, balizado a este pela Igreja de Santo Estêvão, a oeste pela Igreja de Santa Catarina e a norte pelo Miradouro de S. Pedro de Alcântara. Foram identificados sete pontos de escuta, locais de referência onde a harmonia entre os sons será mais perceptível: Miradouro de Santa Catarina, Praça Camões, Miradouro de S. Pedro de Alcântara, Miradouro da Graça, Castelo de S. Jorge, Miradouro de Santa Luzia e Praça do Comércio.

Mas Pedro Castanheira quer que aqueles sete minutos sejam escutados muito mais longe: “O grande desafio é calar a cidade. Os carros, os bailaricos. Pedimos às pessoas que com o seu silêncio sejam parte activa na partitura. Porque normalmente estão a fazer barulho. E se estiverem em silêncio durante sete minutos é como se estivessem a tocar, naquele momento estão a tocar pausas”, explica. Para concretizar o Lisboa em Si, Pedro e a equipa contam com mais de 300 voluntários. “É um evento cívico e político”, diz Pedro. “Uma política centrada no sonho. E os portugueses têm na sua história muitos exemplos de conseguirem dar vida a esses sonhos. Este é apenas mais um."'

06 Junho 2013 - Ver peça original

Ler Mais


Equipa



Entidades

UMA CO-PRODUÇÃO::
APOIO À ORGANIZAÇÃO

    
APOIO CIENTÍFICO
APOIO À COMUNICAÇÃO
APOIO À PRODUÇÃO
           Mobius NAUCOM
ORQUESTRA

    GNR


ESPAÇOS       LiSBOA EM Si

Espaços LisboaEmSi


Contacto

Para mais informações entre em contacto connosco.